Os histéricos que têm sempre a palavra

 

O s mesmos indivíduos que no início da pandemia mandaram fechar tudo, e até criaram uma manif, são aqueles que ontem e hoje dizem que é para abrir os bares em horário nocturno. Perderam o medo à pandemia, ela dura há muito e precisam de facturar. A Saúde Pública que se lixe.

Importa avaliar o que está na base desta iniciativa. É no mínimo curioso, para começar, se realmente pediram um milhão para aguentar as empresas quando têm um empresário podre de rico e favorecido pelos 40 e tal anos da Madeira Nova. É que são ardilosos o suficiente para criarem factos e terem todo tipo de jogadas que, pelo menos os seus funcionários, tão bem conhecem. Deixem-me adivinhar, é para abrir porque os funcionários que instrumentalizaram é que vão expor a sua saúde para a ganância dos dois empresários que estarão protegidos, como sempre e em tudo.

Continuamos em plena pandemia e a vacina não tem evitado novos confinamentos duros na Europa. Assim que se abre o "bicho" ataca, abrir muito cedo pode deitar tudo a perder e o mesmo tempo que se quer ganhar abrindo, pode converter-se em confinamento para recuperar a ousadia, desta feita com custos humanos, mortes. A ganancia dos dois ainda não percebeu que a fragilidade da Saúde Publica na Madeira é a mesma, que só se ataca Covid quando vão morrendo muitas pessoas de repente e que eu avalio como sendo por falta de acompanhamento médico.

Se foi exagerado fechar tudo aloucadamente, também abrir aloucadamente não é bom conselho, ou seja, os dois que merecem sempre a palavra na comunicação social são eternos errantes. Contudo, a comunicação social só tem olhos para eles.

Nestas circunstâncias, a atitude revela outra situação, sendo eles dos mais privilegiados do regime e da ECM, a atitude mostra que não acreditam nem nos apoios do Governo Regional nem na Bazuca. Neste momento, usando do privilégio de serem os porta-vozes na comunicação social, deveriam estar a desmascarar Rui Barreto e seus apoios que falam em números mas não quem. Deveria estar a apertar Pedro Calado para provar que consigna parte da Bazuca para as áreas a que realmente se destina, quem sofreu com a pandemia, a fundo perdido, e não para outras áreas que só vão lucrar e nunca perderam, o betão.

Portugal é, para quem ainda não reparou, um país em contra-ciclo na Covid comparativamente à Europa, neste momento muitos estão a voltar ao confinamento duro enquanto Portugal vai se abrindo, se bem que com o Rt a subir, até ver. Mas, já estivemos ao contrário, os piores da Europa enquanto alguns pensavam abrir. Regredir é num ápice, recuperar um tormento, neste aspecto, Miguel Albuquerque tem estado muito bem, mesmo que use a situação para tentar recuperar popularidade, coisa que parece que perdeu efeito. O drama e a catástrofe já não rendem, tudo porque na Madeira insiste-se em arquétipos de sucesso até os falirem.

Como questões finais, dizer que o CM permite outras opiniões numa comunicação social que vai entrevistar sempre os mesmos que já enojam. Dizer que esses "sempre os mesmos", falhando permanentemente opiniões para o bem comum, são sempre solicitados. Dizer que a exaustão da Covid deve ser combatida atacando o GR para mostrar o seu plano de recuperação para conferir tranquilidade e não aflição. Com tanto medo e a morrer, ninguém ataca um Governo Regional ardiloso contando com represálias, a instrumentalização da Bazuca. Há muito secretário que deveria ser posto a andar, deveria haver remodelação de Governo. Não sei se esperam pela saída de Calado.

Nesta Páscoa tivemos um novo input, podem estar abertos e o povo não aderir com medo, foi o exemplo do Porto Santo. As pessoas jogaram pelo seguro e isso nas viagens para fora da Madeira tem uma atitude total. Não saem. As agências de viagens estão paradas e não se queixam ou não têm palavra como o senhor Dário ou o senhor Miguel de Sousa.

Enviado por Denúncia Anónima
Segunda-feira, 5 de Abril de 2021 10:12
Todos os elementos enviados pelo autor.