Pluviosidade pela metade


Sinto que a natureza nos está a ultrapassar e a crise climática produz efeito de forma mais rápida do que a capacidade dos nossos governantes em implementar soluções. É sempre a mesma coisa, demasiada retórica mas no terreno muito pouco.

Se quem me está a ler reflectir, provavelmente chega à mesma conclusão do que eu em relação aos ventos cada vez mais sentidos e que levam à inoperacionalidade do nosso aeroporto. O processo não foi gradual, foi de um ano para outro e instalou-se. Creio que se está a passar o mesmo com a chuva, ou melhor a sua rarefacção.

Anteontem vi uma peça da RTP-M sobre a pluviosidade na Madeira que passou para metade. Acho uma negligência, ao nível do problema do hospital novo, termos chegarmos a este estado nas condutas de água perderem 70% da água que é recolhida para consumo. Temos condutas ou um passe vite?

Não podemos permitir que naquilo em que podemos actuar, substituição das tubagens para poupar água e na reflorestação acelerada, estejamos com dúvidas ou lentidão quando ainda por cima a UE tem apoios disponíveis. Se entrarmos num ciclo de decadência na humidade habitual e permitirmos a instalação das condições climatéricas do continente africano, sem pelo menos mitigar de forma acérrima, estaremos, com certeza a perder a Laurisilva. As plantas vão se adaptar. A humidade é questão fundamental. Recortá-la como o senhor Albuquerque deseja, com o exemplo das Ginjas, é mais um caso de louco com poder ao nível do Presidente dos Estados Unidos. Não "areje" a floresta, proteja a humidade. Não abra caminhos para a negligência de alguém que pode, com uma floresta mais seca, chegar ao impensável de vermos a Laurisilva a arder. Com humidade e ser humano negligente por perto não há autocombustão.

Temos que actuar de forma mais rápida. Espero que o CDS troque as prioridades de investimento para o voto imediato para uma era mais estruturante. Por outro lado, se desperdiçamos água e chove menos, podemos chegar à falta de água. É preciso modificar hábitos, actualizar as condutas e começar a evitar o controlo tácito de alguns sobre a água. A EEM vai permitir os cursos de água que alimentam a humidade da floresta ou vai estancar tudo quando a água é cada vez mais escassa?

Enviado por Denúncia Anónima 
Quarta-feira, 02 de Outubro de 2019 15:33
Texto, título e link da notícia enviados pelo autor. Ilustração e vídeo CM.

Share on Google Plus