Trânsito Congestionado


Para quem não sabe, os últimos quinhentos metros  da COTA 500 custaram 9 milhões de euros num  total de  56 milhões de euros investidos numa obra cuja utilidade deixa algumas dúvidas.

O CM motivado pelas inúmeras reclamações da população das zonas altas do Funchal,  enviou para a COTA 500 os seus melhores jornalistas deontológicos, que refira-se, até são sindicalizados no SJ com quotas em dia. 

Chegados à zona, os jornalistas do CM depararam-se com dois grupos de manifestantes que empunhavam cartazes e gritavam algumas palavras de ordem contra e a favor da obra da COTA 500. 

Sem hesitar dirigimo-nos a um primeiro grupo de senhoras eufóricas que empunhavam um cartaz que dizia “Obrigado Querido Presidente pela COTA 500!”, e ainda um outro onde se lia, “Querido Presidente dá-me as tuas cuecas!”, e mais outro, “Querido Presidente, a COTA 500 é melhor que a moca do 500!”

Muito a custo chegamos perto e perguntamos a uma das senhoras as razões da manifestação, a qual prontamente nos respondeu “eu tinha posto a roupa na máquina de lavar, e como não tinha nada para fazer vim com a minha vizinha e a minha prima”, outra senhora visivelmente perturbada gritou com uma voz rouca “aiii… que ele tem uns olhos lindos!”. Enquanto tentávamos acalmar a euforia galopante, a meio das senhoras estava um senhor vestido com ligas e soutien que gritou “finalmente temos a ligação ao Trapiche que sempre foi uma aspiração das jovens mães solteiras de Santo António!”

E como somos pagos ao caractere pelos Assessores de Imprensa do Governo, e sem perder mais tempo, dirigimo-nos para o outro lado da Via, onde outro grupo de senhoras, empunhando paus, bastões e correntes, seguravam um cartaz onde se lia “Não aos automóveis! Querido Presidente, a COTA 500 é dos pedestres!”. Curiosos perguntamos qual a razão de tal revindicação ao que uma nos respondeu “eu fazia jogging aqui, e até emagreci 3Kg e 400, agora com este trânsito já não é possível correr! Ainda ontem passaram 8 carros aqui!”. 

No meio da confusão, e sem nos apercebermos, fomos de repente agredidos por uma senhora visivelmente perturbada que gritava “Eu sou das Romeiras e estou aqui para reivindicar a COTA 300, porque também somos gente!” e continuou “a gente aqui não precisa de porcarias de Hospitais e Lares de Idosos, queremos é uma COTA 300 para passear os nossos animais e ver o fogo no fim do ano!” 

De repente um jovem toxicodependente das Courelas em pânico aproximou-se de nós e gritou “é melhor saírem do meio da via…vem aí uma bicicleta a mais de 50!”

"O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflecte"

Aristóteles
Share on Google Plus