Quem falha ?


Muito bom dia a todos, espero que estejam todos a refletir bem porque esta talvez seja a vez em que mais faz sentido pensar. Creio que as pessoas estão dividas entre o racional, os interesses e o coração à luz das sondagens, veremos o que prevalece na hora de fazer a cruz.

Quanto ao Correio da Madeira, parabéns, foi algo "sui-generis" que surgiu numa forma completamente nova, acho que é um site que elimina o medo que existe na Madeira e põe a sociedade a dizer verdades. Sinto que há muito passou a fase de alguns quererem arruinar a vossa imagem com os "fake-news" para agora se notar que muita gente lê, sobretudo em surdina. Não sei todavia se vocês são o sentir do povo, se um anti-poder ou anti-qualquer-partido mas que fazem as pessoas pensar lá isso fazem. Gosto. Só não gostam os interesses instalados.

Agora o que me traz por cá.

A RAM tinha bons costumes de respeito democrático no dia da reflexão e das eleições, não havia relato de confusões como noutros locais do país. No entanto, as últimas eleições trouxeram uma "esperteza saloia" que hoje se vê ter sido um mau precedente e que tenderá a piorar. Um partido achou por bem, nas Europeias, deixar a sua propaganda na rua, quem os retirou foi ameaçado e acusado, os seus dirigentes a coberto da CNE impuseram a "lei". Foi a ousadia que mostrou erros na lei no que diz respeito à propaganda política e agora vemos outros agentes a se baldar.

Hoje, partidos e pelo menos a CMF "baldaram-se" para a recolha da propaganda e, desde que estejam 500 metros afastados das assembleias de voto, a sua situação é legal. Eu não li na lei se é 500 metros no raio de, ou à distância de ... e como se mede, é 500 metros. Se eu for espertalhão, faço 500 metros à volta da estátua do Jaime Moniz e provo no conta-quilómetros como fiz 500 metros para justificar a distância de um cartaz defronte a uma grande assembleia de voto. É evidente que estou a satirizar, ironizar ou brincar mas quero com isso provar que desde que se tenha maldade damos a volta a tudo e, é por isso que, tendo a Madeira excelentes costumes democráticos a Lei e a CNE estão a destruir com a iniciativa de um partido.

Depois, a CNE. Fiquei abismado com as barbaridades que a CNE disse na visita que fez à Madeira, dizendo que isto é um mar de rosas na Quinta Vigia. O povo é são, a estrutura de votação está bem, os comportamentos nas mesas nada a relatar, a atitude do eleitor é correta (faltando só limar a abstenção). O que não está bem é pelo menos um partido, o de sempre a prevaricar com o seus sistema tentacular de transportes. Não são "públicos", são privatizados, como sempre um bem público ao serviço da causa de alguns.

Se hoje é dia de reflexão, amanhã é dia de aflição e a CNE já disse que não pode estar em todas as assembleias de voto. Tivemos o exemplo da "baralhação" da CNE nas últimas Regionais com o Porto Santo e a Camacha. Quero finalizar dizendo que quem está a falhar é a CNE e a Lei, o eleitor é regrado e um partido faz o que lhe permitem. No dia que se descobrir comprovadamente algo, todo este bom ambiente ficará minado para sempre e ninguém se vai safar das bocas, da permanente lembrança ou suspeição e, a democracia que já está condicionada por grupos económicos, terá o seu último suspiro. A Lei e a CNE podem estar a fazer abstenção.

É só isto que tinha a dizer. Acho que não prevariquei o Dia de Reflexão, aliás isto é uma reflexão. Aguardo publicação. Muito Obrigado e prossigam o Vosso projecto.

Enviado por Denúncia Anónima 
Sábado, 21 de Setembro de 2019 12:23
Texto, título e links enviados pelo autor.
Share on Google Plus