Ajuste de contas


Estou indignado, era madrugada pelas 6 da manhã, depois de uma noite não dormida, fui à praça do povo, e por duas das ruas por onde passei, VI SERES HUMANOS, a dormirem no canto de uma rua.

Mas lá bem na baixa estava o busto de Gandhi, nada contra, mas não se percebe bem o que esta homenagem significa para nós madeirenses, enfim são as prioridades de quem nada tem de melhor para mostrar ao seu povo, a não ser o show off ... para inglês, neste caso indiano ver.

Voltando ao flagelo de quem noite após noite tem de dormir num canto de rua qualquer, pensei, que triste, que drama, há vidas muito piores do que a minha, certo, mas a desgraça dos outros não me anima, mas irrita-me solenemente, ver um líder(?) do PSD, que permitiu que as suas gentes, instaladas no poder, tivessem usado de todos os meios, para perseguir gente séria, honesta e trabalhadora, imputando ao Costa responsabilidades que cabem ao executivo madeirense resolver.

Pedir dinheiro para os outros pagarem é muito fácil, difícil é saber gerir o que se tem. Este senhor, que pensa que governa, tem a distinta lata de subir ao palco para pedir o meu, o seu, o nosso voto. É preciso ter lata, “é a ditadura camuflada”, revelada no “quero, posso e mando”. Um líder sem carisma, “barriga de aluguer” dos pesos pesados da construção civil, e do turismo, que graçam nesta terra.

“Barriga de aluguer” de um Passos Coelho, que o usou para derrubar Jardim, e que até chegou, numa das últimas eleições de Jardim a andar a apelar ao voto noutra força política, que agora parece querer como aliado.

Hoje, com toda a “lata” do mundo vem dizer que afinal o PSD é que é bom, e recomenda-se. Sim, recomenda-se, para quem está bem na vida protegido pelos milhões e milhões, e que se continuarem no poder, seremos nós, povo trabalhador e perseguido a pagar. Eu e tantos outros temos de fazer contas de “sumir”, para estes engravatados andarem a esbanjar o dinheiro que devia ser canalizado para resolver, ou ao menos minimizar. as aflições de um povo que está cansado das injustiças.

É preciso lembrar o que diz o povo, na sua sabedoria “quem semeia ventos, colhe tempestades”, por isso está a chegar a hora do ajuste de contas, 22 de setembro.

Enviado por Denúncia Anónima
Sábado, 7 de Setembro de 2019 22:32
Texto e título enviados pelo autor. Ilustração CM.
Share on Google Plus