O ferry de Cafôfo


A ministra do mar já tinha levantado  a ponta do véu da novidade há uns meses com o anúncio nos estados gerais do PS na Madeira sobre a opção de Lisboa como destino do ferry, portanto a grande capa de hoje do JM acaba por não ser muita novidade.

A mudança de porto pode realmente ser mais benéfica para a linha apesar de aumentar a distância. Mas o que pode ser realmente uma mais valia para a linha ferry Madeira - Continente nem é o porto de destino no continente, é libertar-se dos tentáculos monopolistas que neste momento aprisionam a viabilidade da operação.

Manter a concessão ao Grupo Sousa é o maior erro em que se pode insistir. E começo já a mandar calar os meninos que muito gostam de apregoar que temos de proteger e favorecer os empresários regionais.

ALDRABICE!!

O documentos vindos a público pelas iniciativas do JPP revelam sem qualquer margem de dúvida que este favorecimento ao Grupo Sousa aumenta ainda mais o monopólio existente e fere de morte a viabilidade da operação.

Manter este operador que nos traz navios mais antigos, com pouca tripulação, preços inflacionados para não beliscar a mina de ouro dos seus porta contentores, um serviço de venda e promoção miserável onde é óbvio a opção em criar entraves ao sucesso e com apenas uns meses de serviço é uma marca que este "PSD Cumprimos" nunca se vai livrar.

Cafôfo e Costa estão a usar o ferry como campanha? Obviamente que sim. Mas prefiro "ajudas e anúncios" deste tipo, do que aquele PAEF que Passos Coelho e João Jardim nos deram.

E até deixa antever que este processo já poderia estar em curso se a Madeira não tivesse um governo regional preocupado em não chatear o Grupo Sousa e que sempre que abre a boca é para dizer mal do governo da república.

A campanha vai começar em força, e Cafôfo usa os seus trunfos baseado também no previsível resultado de vitória do PS de Costa nas eleições nacionais, e isso é algo que os Madeirenses também devem levar em conta. Outra coisa que os Madeirenses estão igualmente atentos é ao piscar de olho do PS ao Grupo Sousa. O povo está farto dos favorecimentos que só complicam a sua vida e se o PS insistir neste erro nunca ganhará a confiança que tanto pede.

Quanto ao PSD, vai certamente optar pelo caminho do menino chorão que se queixa de que dão tudo ao outro menino e que a culpa toda é de Lisboa que não quer brincar com eles. Nunca irá mexer no monopólio e a Madeira continuará refém dos interesses de um grupo económico

Noticia JM de 27 de Agosto

Ou nós encontramos um caminho, ou abrimos um.
Aníbal 
Share on Google Plus