PSD - Porto Santo


Enviado por Denúncia Anónima
Segunda-feira, 29 de Julho de 2019 19:26
Texto enviado pelo autor. Título e imagem CM.

Existe uma necessidade evidente de colocar a liderança do PSD Madeira a par de diversos comportamentos e métodos da governação local Porto-santense, para que acima de tudo, possam continuar a governar os destinos da ilha. Se quiserem.

O PSD Porto Santo é, infelizmente, um grupo fechado sobre si mesmo e se existem muitos elementos de outros tempos de PSD que continuam a ser as figuras chave na praça pública, deve-se ao simples facto de que quem deve assumir as suas posições políticas e responsabilidades, quer da liderança partidária local ou governativa, simplesmente não o faz. E se o fazem, fazem muito mal.

A aproximação e contacto com os militantes é pouca ou mesmo inexistente. Se a sede é aberta aos militantes, ficamos a saber de antemão que o Presidente do Partido ou o Secretário-Geral têm uma viagem programada à ilha. Assim, ninguém pode dizer que a sede não é aberta aos militantes. A certeza dessa estratégia é bem patente nos assuntos tratados nessas reuniões que passa por uma mão cheia de nada. Meia hora de boas notícias, prosperidade e progresso que na realidade não coincide com o descontentamento das pessoas e comentários nos próprios serviços públicos e estabelecimentos comerciais.

Não pode ser aceitável, de maneira alguma, que não seja feita campanha nas últimas eleições europeias e que depois seja celebrada de maneira efusiva a vitória por um voto. Se é verdade que todos os votos contam, também não é menos verdade que sem o trabalho do contacto com a população, que sempre foi feito, ninguém alcança resultados vitoriosos. Que não existam ilusões. Se o Presidente não tivesse feito uma visita de véspera e conseguisse cativar os caçadores que têm um peso considerável no eleitorado local, então o resultado seria bem diferente.

Assistimos constantemente a uma desresponsabilização geral sobre projetos programados ou em andamento da parte do Governo Regional. Se no entender da população, determinado investimento merece nota positiva, então o executivo camarário diz que a câmara tem mão no assunto. Caso contrário, não é nada com eles. Não existe um único projeto ou investimento levado a cabo pelo Governo Regional que seja catapultado de forma positiva para a opinião pública.

O PSD Porto Santo é neste momento um partido sem rosto e sem voz e com quezílias na praça pública entre órgãos eleitos. O atual clima de crispação que, sendo mentira, ninguém o contraria, está a minar a opinião pública de tal modo que pode fazer com que não consigam vencer localmente as próximas eleições regionais, pese embora o investimento e conclusão de obras em curso.

Os elementos do executivo camarário não podem afirmar publicamente, de maneira escandalosa, que caso o representante do PSD Porto Santo nas listas para as Eleições Regionais seja outra pessoa, quebrando a continuidade, estes não contribuem na campanha. De todos os nomes comentados para representar o Porto Santo na Assembleia Legislativa, o denominador comum passa pela pessoa menos desejada. A continuidade do atual estado de coisas e manutenção do representante do Porto Santo, fará inevitavelmente com que o Partido a nível local ande moribundo até 2021, numa morte lenta até sucumbir nas eleições autárquicas.

A própria conduta pessoal do atual Presidente do PSD Porto Santo e deputado regional é altamente questionada no quotidiano Porto-santense. É verdade que todos merecemos o espaço à nossa vida privada, mas ao aceitarmos um convite para desempenhar um cargo de tamanha responsabilidade, estamos também a aceitar o escrutínio popular de quem deve ser visto como exemplo. Para uma terra que deu a maioria a este governo, o tratamento deveria ser outro. As pessoas sabem votar, como sempre o fizeram.

Quem esteve no Chão da Lagoa viu, um a um, os responsáveis pela catástrofe laranja que se avizinha. Uma vez que o PS já decidiu o seu cavalo para a corrida, também ele muito fraco, que ao menos o PSD consiga reverter esta situação. Ao fim ao cabo, uma mudança de ares sempre será melhor que a continuidade, com ou sem experiência.

P.S.- esperemos que o vice presidente da autarquia, indicado para a lista das eleições para a república, seja um lapso. Caso contrário... Nem com o Obama.
Share on Google Plus