A verdadeira história do novo hospital



Todos sabemos que a história do hospital na boca do PSD-M é mais interesse na obra do que melhorar os serviços de saúde, caso contrário, os nossos hospitais estavam noutro estado de atendimento. Durante anos esse sector nunca foi prioritário, até se distraíram ao ponto de termos os Marmeleiros naquele estado deplorável, terceiro-mundista.

Já aqui foram relatadas algumas situações e eu não vou repetir, quero só contar a verdadeira história de batalha política com o dinheiro do hospital.

O Governo da República deu um corte no apoio financeiro quando viu que ambos os Governos poderiam gastar menos porque na solução estava inscrita a venda do edifício e terreno do actual hospital Dr. Nélio Mendonça, estima-se por 65 milhões de Euros. É tanto verdade que já anda por aí um empresário da hotelaria, desses mais patos bravos, a salivar para ficar com mais um arranha céus mamute. Todo o jogo faz-se em "casa" não tivera o Governo Regional um encarregado de negócios com todos os poderes na Vice-Presidência. Portanto, toda aquela berraria do Governo Regional devido ao corte é teatro e o Centeno é um às a fazer contas ao pé destes labregos que nos representam mal.

O Governo Regional do PSD-M, depois do corte financeiro e da oportunidade para o teatro, esse do tipo gatinho manso que mia no continente mas ruge como leão na Madeira, já não consegue fazer mais fumaça para cobrir a realidade. Chegou a hora do Governo Regional se deixar de truques e pôr na mesa a sua parte do dinheiro para construir o novo hospital. Ora, se este governo tem que pedir dinheiro para pagar os subsídios de Natal é lógico que não haja para o novo hospital e o tempo esgotou.

Aqui vem jogada que os madeirenses devem estar atentos, e não permitir, porque estes ardilosos usam as necessidades do povo para levar escondido o verdadeiro interesse, o que põe gente entre os mais ricos da Revista Sábado. Isto também é muito parecido com as listas de candidatos, onde metem um bem parecido à frente e atrás vem a escumalha toda.

O PSD-M quer vender a Empresa de Electricidade para arranjar o dinheiro que não tem para a construção do hospital, quer usar a situação para parecer justificada a venda da melhor empresa pública da Região em mais um negócio ruinoso ao estilo do Passos Coelho na Republica. Este Governo é ou não é Passista? Claro que sim, enquanto lixava a Madeira estiveram calados. Feito o negócio e sendo privado, haverá com certeza condições para receber tachos futuros como o Eduardo Catroga.

Como sabemos, há muito tempo que o senhor Sousa anda com esses desejos de comprar a EEM, já levou o Gás Natural sem qualquer necessidade de concurso quando era um negócio estudado pela EEM na era em que Cunha era Vice-Presidente, esse que agora também é funcionário da EEM. Tudo a jogar em casa.

Com a EEM a fazer um avultado investimento no Paul da Serra e da maneira como estes abusadores do poder sabem fazer contas, vê-se a venda a saldo que se vai concretizar para que, assim que seja colocada a assinatura, valor mais do dobro se revendida a chineses ou se praticar preços ao estilo dos fretes. Assim sim se constrói um Dono de Disto Tudo quase de borla com os maus governantes que não zelam pelo interesse de todos.

Não esquecer que esta jogada também serve para acalmar o Sousa no apoio ao Cafôfo que, se este tivesse juízo, aproveitava para despachar essa péssima aposta para ser de novo o independente ao lado do povo.

Parece que vamos ter um fim de era a fazer o que dá na gana para garantir a boa vida no futuro. Este Governo é uma vergonha. Olho nele.

Nota: a malta não tem que se preocupar porque o CM só publica Fake-News, não é verdade?
Há épocas de tal corrupção, que, durante elas, talvez só o excesso do fanatismo possa, no meio da imoralidade triunfante, servir de escudo à nobreza e à dignidade das almas rijamente temperadas."
Alexandre Herculano
Share on Google Plus