De endividado a rico em 3 anos

Link com a promoção do artigo impresso

Doa a quem doer a promiscuidade de muitas adjudicações e concessões reflectem-se nas contas bancárias. Do que se vê, o endividado em 3 anos subiu para a lista dos políticos mais ricos no activo.

Será da venda de património que deu e sobrou? Ou da governação? É fazer as contas com o ordenado a multiplicar por 42 com mais uns meses para ver o dá, somado naturalmente os lucros das vendas se sobrou com as dívidas pagas, com certeza números abaixo das dádivas com a casa de Alojamento Local que o José Manuel Coelho encruou. E dá? Façam as contas. O certo é que um endividado passou a rico. Um endividado é só pelo numerário e não conta os imóveis? Ou afinal há muita coisa em Sociedades Anónimas que não contam. Bruxedo! Mas sabemos que nem tudo se declara e isto pode ser uma amostra por defeito.

Todos "sentimos" o enriquecimento ilícito, nunca provável, que até condena quem aponta, mas tal como as bruxas, que as há ... há. Pelos vistos há cargos que governam péssimo mas governam-se bem, ainda por cima num tempo de cortes salariais e congelamentos de carreiras. Cada vez "acreditamos" mais na política, não é verdade? Sobretudo disseminar os votos para ninguém ter o poder absoluto para enriquecer sem provas.

Bonito seria estarem nesta lista não só os novos no activo mas também os bodes velhos. O Ramos, o Jardim, o Sousa, o Cunha, o Costa daqui, o Marques, nenhum deles anda como as ditas na Quaresma, sempre associados a outros nomes do empresariado da Madeira Nova.

Isto deve ser como algumas produções que se algumas espécies estiverem umas ao pé das outras produzem mais em simbiose. Estar ao pé do Pestana e do Farinha ajuda muito ao dinheiro ser fêmea.

Outra coisa estranha é a menina Berardo não ter controlado esta publicação na revista onde ainda tem influência, se calhar o enriquecimento era maior e deu um jeito.

Hollywood que pegue nisto, gostamos de filmes com histórias de sucesso e final feliz. Está claro que tendo conseguido o essencial da sua candidatura, pagar dívidas, já está farto e quer se pôr a andar com isto em pantanas. Uma estrela das elites faz muito esforço para estar com os vilhões e escabaça brinquedos em dois tempos

Porque nunca há histórias destas no cidadão comum? Falta a estatística do sucesso por profissões. Com certeza os mal vistos dos professores estão à cabeça, todos com um iate. Os políticos têm muita língua e boa algibeira.

Há uns tristes no Porto do Caniçal que fazem enriquecer alguns que não têm segurança, condições e higiene no trabalho e para receber o rendimento é sempre com truques, são perseguidos para com certeza dar menos despesa e mais lucros a estes que enriquecem. Não é estranho aquela bagunça nos portos e ninguém se mexe? Sem vergonhas! Política é emprego de rico ou como político tornam-se ricos?

Se calhar a culpa destes enriquecimentos é de Lisboa, é que o nosso Presidente de tanto pedir Lisboa para pagar está nos ricos mas na lista não consta o Costa das calças de ganga e mocassins. Não sou contra ricos, sejam todos, mas quero saber que foi lícito, por exemplo, o Marcelo está mas vejo ali uma vida que vai para a reforma e o nosso chorão por dinheiro está longe disso. O que sei é que o meu dinheiro nunca foi fêmea e se fosse ponha já na esquina a render. (não se ofendam senhoras!)



Créditos: recortes do artigo de 12 páginas da Revista Sábado desta semana
(20 a 26 de Setembro 2018 nº751).
Share on Google Plus