Cristovão Colombo não sabia que transportes na Madeira dão sempre barraca


Enviado por Denúncia Anónima
Sexta-feira, 14 de Setembro de 2018 18:30
Texto do autor. Título e ilustração do CM

Demorou 600 anos para que a história fosse de facto alterada. Só não sabemos se de forma acertada. Os mais novos brincavam e utilizavam o caso "e-toupeira". Mas não, Cristóvão Colombo não veio debaixo da terra. De mar nem vê-lo. Alguns diziam que não pagaram ao pessoal do ano passado pelo serviço de trazer tão ilustre personagem do barco até à praia. Isto hoje em dia já ninguém faz favores a ninguém. Os mais velhos lamentavam que logo na altura dos 600 anos é que uma coisa destas acontece. A capitania! Dizem por aí que devido ao facto de não haver coletes salva-vidas o desembarque não aconteceu. Muito estranho. Nem pelo céu o homem veio. Havia umas luzes estranhas no céu. Uma tentativa barata de Robbin e Batman num evento que pretendia recriar a vinda de um homem que se calhar até nasceu no Porto Santo. Os turistas não vieram de propósito para o festival, mas os que lá foram ficaram bem desiludidos. Andou a malta a agraciar os forasteiros para nada. O momento é de facto lindo, mas não aconteceu. Será por isso que a Câmara Municipal do Porto Santo queria desviar verba para os 600 anos? Castro, seu malvado. Ao votares contra o IRS que aqueles bandidos queriam o executivo já não manda mais dinheiro para coisas que são da responsabilidade do Governo Regional. Seu maroto.




Não é a primeira vez que tentam vestir colete salva-vidas ao Cristovão Colombo. A imagem ilustra os activistas da instituição de caridade espanhola Proactiva Open Arms na estátua de Cristovão Colombo, em Barcelona, aquando do resgate Open Armes com um navio cheio de migrantes líbios a 4 de Julho deste ano. Crédito da foto: Reuters
Share on Google Plus