Nem tudo o que reluz é ouro







Os Renovadinhos caem na ratoeira do Diário que nem patinhos, estão a perceber o trocadilho? Tudo começa pela vaidade, pela necessidade de aparecer, o dizer que se está vivo e poder falar num partido que não ouve e onde os seus órgãos não funcionam como foram projectados. O partido da ditadura dos lobbies e seus representantes, os líderes do partido. O PSD-M segue a linha ditatorial do líder, ora possessivo e inteligente, ora possessivo mas medíocre. Carisma nenhum! Se no primeiro caso a sorte é ter um que sabe mais do que o resto, no segundo é ter o azar de ter outro que tem mais ego do que inteligência.

Com tanto marmanjo do PSD-M a escrever no DN podemos ver a linha de pensamento dominante naquele partido, a sabujice e o bando de tontos. Quanto mais sentem necessidade de falar e escrever, por aflição, mais se enterram. Não percebem da falência total da credibilidade de quem fala ou escreve pelo PSD. Se calhar é por isso que Cafôfo fala muito pouco e não responde a nada, ele e seu grupo são porventura iguais mas, calados ninguém descobre.

O Diário faz colecção de comentadores do PSD-M descredibilizados, o que significa que o Diário usa os PSD para um efeito contrário, perverso, dá palco para o PSD se queimar mas eles andam satisfeitos. As figuras do PSD que pensam que estão a se promover no DN só criam repulsa com frequência numa atitude de página à frente, se lêem confirmam que o Albuquerque trouxe um camião de nabos para a política.

Dois casos típicos de perder a credibilidade, para todo o sempre, permitir aos líderes a introdução de ficção na política, basicamente criar cenários falsos para justificar algo ou, assinar obras megalómanas julgando-se inimputável por estar junto do poder. Se isto acontece é porque os líderes são fracos e estão sem argumentos. Sendo atendidos estão a destruir o partido e um elemento da acção política. Tudo isto fica mais grave quando é um advogado a se dar ao vexame.

Alguns já foram PIDE no terreno, manipuladores de factos de obras megalómanas (ribeiras e Savoy), instrumentos de safadezas democráticas no interior do seu partido em eleições internas, emissores de opiniões descontextualizadas da realidade e do querer do povo, agentes provadores de que nunca souberam interpretar ou querer interpretar os anseios do povo. Jogaram só para si e seu sucesso desprezando quem foram representar.

É de rir um PSD se insurgir contra perfis falsos e blogues, fizeram política por aí, só que a pedra saiu da mão e descontrolou. Albuquerque ensinou a ganhar eleições internas de forma porca e o camião de nabos julga que isso é política e repetem vezes sem conta a estratégia nefasta ao interesse de todos. Que moral tem um menino do coro naquela creche da Assembleia? Aquele horror democrático de baixaria.

O lamento de sentirem que poucos estão com este PSD é um medo, uma consciência (tardia) que foi até agora substituída por uma arrogância de pensar que iam construir outro PSD chamado Renovação paralelo a toda gente. Deu muito errado, o que afastaram não foi substituído por entradas, a inteligência foi trocada por estupidez, a mobilização foi permutada por um clube restrito que só pensou em empregos e tachos mas nunca para governar.

Bate forte a consciência da proximidade do fim que só não rendeu por serem tontos. Qual Kriptonita que faz perder a força ao super-homem, os pedantes, arrogantes, insolentes, petulantes e tantos outros nomes que aqui se encaixam trazem o duro resultado de 3 anos a afastar, apelidar, perseguir, omitir promoções, destruir selvaticamente carreiras, maltratar funcionários públicos, desprezar dois terços do PSD, etc.

Estão fracos e desmoralizados. É castigo merecido e ninguém tem pena porque demasiados sofreram na pele convosco e mentir não chega. Nunca ouviram e tem piada que agora querem ser ouvidos e ficam tão moralistas.


Share on Google Plus