A festa das contradições e das gajas

Então, chegaram muitas lagostas ao trabalho?

Os líderes nacionais têm a tendência suicida de dizer asneiras na Herdade. É verdade que este ano o senhor do mal não veio, o único gajo do PSD nacional que no continente tem culpas, Passos Coelho. É verdade que neste ano não vimos um líder nacional a comer maçarocas com casca, o que desde logo mostra que percebe de governação como o Trump, se não governa uma maçaroca vai governar um país?

Mas, agora aparece este povo que lavas no Rio, ávido de vitórias e parece que acha que é o PSD que não está de marcha. Chegou tarde para usar a fórmula das vitórias de Jardim. A piada está em que quando ele diz mantém a equipa vencedora, depois de uma copiosa derrota nas autárquicas, Jardim diz que muda tudo, que está um desastre e só fica o presidente de prateleira "que já disse que ficava" mas todos se esquecem que fica até ao congresso, depois ninguém jura. E o congresso é antes das Regionais.

As gajas, como sempre, andaram a chupar "rebuçados peitorais", a chupar e a dar de chupar. Depois de alguma moderação, Vânia Jesus saiu de novo com seus argumentos políticos, basicamente um par de silicone com os botões da camisola a dizer "sou tão boa que os botões saltam". Até sugiro que os homens, para não ficar atrás, comecem andar com a braguilha aberta porque é sexy, o eleitorado vêm-se e equiparam-se aos argumentos políticos das "gajas" do PSD-M.
Já Rubina Leal está num "peace & love" na mó debaixo, lugar onde sempre esteve a fazer política suja, **** toda gente mas agora apetece-lhe paz porque esta sem artilharia, a se encostar a tudo o que aparece e espero que encontre alguma tabaibeira. Que cinismo petulante andante. Ostentar uma camisola, berrante, com florzinhas de paz, pois claro na zona dos argumentos políticos, a suplicar paz com um autocolante do PPD. Já não é uma Renovadinha que sacaneou e perseguiu tudo, pessoa decente que vê isto é de levantar a perna e urinar. Digam o que disserem, ficamos bem servidos com o Careca nas autárquicas se comparado com esse traste. Mas as homenagens às intocáveis mulheres não se ficam por aqui com duas fotografias, uma de cada lado quais argumentos políticos. Na verdade acabo de perceber que perdi os três com estas donzelas. É costume se dizer "os conas" mas "conas" mesmo, com propriedade, são as puras de sexo que aplicam "as conas", estado de espírito de sacanear tudo e todos e surgirem amigas como ninguém suspeita ...

Neste ano, talvez porque a feira do gado foi em território hostil, não houve novidades de Limousines nem enxertos avacalhados para dizer que a Madeira tem uma espécie autóctone mas, já na Herdade não juro. E isto ainda foi moderado, a Graça Luísa não apareceu para o discurso, só porque em vez de aquecer o povo para o líder seria um soporífero.







Palavras especiais para outra mulher demagoga, a que quer colocar fora do PSD todos os corruptos mas que os beija, abraça e toma uns copos. Está ela no meio de uns valentes exemplares, que há 40 anos não têm medo de nada por manipular a justiça comprando-a, subjugando as leis fazendo-as, escolhendo os mais perversos matando as esperanças, e ela não se dá conta de nada. Não deve ter idade para ter lido tudo o que devia, a começar pelo livro de Carlos Pereira onde relata como fazer uma monstruosa dívida de 6000 milhões. Que lindas vivas aos sucessos do PSD Madeira, vendo um povo com os pés da dívida em cima e que não sonha que vem outra a caminho para alimentar estas festas de circo mediático para enganar tolos.

Mas nesta hora pergunta-se que jornalismo temos? O que faz fretes ao poder? O porreirinho das coberturas simpáticas. É que, pensando bem, se neste momento temos assessores de imprensa tão queridos que faziam eles antes? Estavam domesticados, compactuantes, servis, malabaristas, omissos ou de contraditório justificativo das más governações a cada verdade que saía? Como se é jornalista e querido do poder? Há vários tipos, aqueles que são requisitados para as entrevistas porque são garante de que saiam sempre pefeitas, onde o entrevistado é que domina os tempos e as perguntas. É ver quem são os mais requisitados. Para além destes expostos temos os outros, os sonsos a minar e a adulterar, a fazer sair o que importa ao poder. A pergunta que se deve fazer é ... e agora? Quais são os novos candidatos a assessores que fazem fretes no jornalismo? É que tudo segue igual com o JM, senão pior, do que o Jornal da Madeira, o Diário de Notícias com fretistas, a RTP-M abominável com minutos a metro com tretas políticas para agradar a todos. O Telejornal é a satisfação de todos, não um noticiário. E já agora, parece que nos Açores mudaram a administração, e na Madeira seguem os mesmos controlados pelo Sousa e fretistas do Governo?

E o Cafôfo? Contínua em retiro espiritual? Forte conteúdo sem uma festa igual à do PPD da Renovação.

Antes uma supernova no olho do que uma ursa maior em casa"
Ditado popular do planeta Apalapúcia 

Nota: eu cá mostro mesmo os meus argumentos políticos!
Share on Google Plus