Gestão incompetente no Porto do Caniçal

O Porto do Caniçal, demonstrado por diversas vezes por inúmeras entidades, é um exemplo do mal que os monopólios, promovidos e protegidos pelos sucessivos Governos Regionais que têm liderado a Madeira, fazem à economia desta terra.

A OPM do Grupo Sousa, que utiliza bens e equipamentos públicos sem qualquer retorno para os cofres da região, usa frequentemente tácticas de guerrilha comercial para prejudicar a concorrência (como foi o caso da perseguição ao navio Passat da Transinsular) com a total passividade e conivência da APRAM. É factual e deveras preocupante, até porque participa activamente nas saídas airosas de comunicação, redonda ou quadrada, para safar todas as partes do conluio através da sua comunicação social. Convenhamos que é revelador do total desinteresse da governação de Albuquerque e Calado em lutar pelos reais interesses da população da Madeira nos portos.

Nesta terça-feira, ocorre mais um episódio do ridículo da gestão a que chegou o porto comercial do Caniçal, as empresas de distribuição e camionagem foram informadas pela OPM que haveria um controlo do fluxo de entradas no porto que não vai permitir mais de 10 veículos de cada vez.

E porque?

Porque a OPM, na cegueira do lucro rápido e fácil, não efectua manutenção preventiva aos equipamentos e quando estes avariam ficam meses parados com prejuízo para as operações de carga e descarga do porto. 


Das 3 gruas de levantamento vertical, uma está avariada desde o ínicio do ano obrigando à utilização muito limitada das gruas dos próprios navios. Das 5 gruas de movimentação , duas estão avariadas - uma desde Outubro de 2017.


O controlo, ou melhor, a redução de entradas torna-se na grande decisão estrutural desta gestão da OPM pois, com a descarga dos dois navios escalados para hoje (Monte da Guia e Funchalense 5), simplesmente não há máquinas disponíveis para a carga e descarga dos camiões. Somando a isto, com o feriado do 25 de Abril, a expectativa de entregas a clientes está a ser apontada para final da semana ou início da próxima.

Mas a gestão negligente a tudo o que não traga lucro não se fica só pela manutenção de máquinas. Algo tão simples como derrames de óleo provocados por avarias de equipamentos são deixados vários dias ao sol e chuva sem que haja preocupação na sua limpeza. Onde estão os cuidados ambientais? Existe sequer algum plano de protecção ambiental? Pequenos pormenores que ficam. E se for no mar? 



No meio de tanta negligência, há algo em que a OPM não descuida. Naturalmente, lá está, na possibilidade de ganhar ainda mais dinheiro com o porto do Caniçal. Exemplo disso é o "novo" serviço que a OPM disponibiliza aos contentores frigoríficos que ficam parqueados no Porto do Caniçal. Até á algum tempo este serviço era prestado pela APRAM que resultava em receitas para a região. E diga-se, gerava bons lucros. Foi-se! ... só faltava a energia ser paga pela APRAM, querem ver ... mas ...


... como a OPM viu que dava dinheiro, resolveu "tomar conta". Com uma agravante: pediu subsídios ao governo para a instalação de painéis solares com o objectivo de facultar energia aos contentores frigoríficos a custo mais reduzido e lucro ainda maior. Despesa para o povo, lucro para o empresário. É tão fácil fazer dinheiro com governos assim.

Ora, divirtam-se! 25 de Abril Sempre ! Estamos em luta !

Cada vez amo mais a plataforma do CM, porque avisa a malta!





Foto de Lf Lf.
Foto Lf Lf

Actualização 24/04/2018 10:30: agora o sr Duarte Rodrigues que telefone para a RTP-M e para a vendida da APRAM para combinarem como branquear mais esta barraca. Foto desta manhã. Relacionados: Não cobrar ao Sousa sai da nossa algibeiraDescobri a peta da RTP-M, Pivots do monopólio saem em defesa na RTP-Sousa, A APRAM lesa os madeirenses, APRAM conseguiu: Transinsular retira navio da linha da Madeira.
Share on Google Plus