Facebook



Há de tudo nas redes sociais mas tentar dizer que é uma área de mentira e incultos é um risco.

As redes sociais são a imagem da sociedade, onde o senso comum funciona. Quem acha que o povo escolhe a régua e esquadro a sua intenção de voto está enganado mas a intuição e o "feeling" são temíveis porque a régua e esquadro também se produzem cabalas.

Vemos imensos likes em coisas absurdas porque não ferem susceptibilidades nem arriscam o autor a represálias. Sabem das aves de rapina que vagueiam pela rede enquanto instrumento facilitador dos seus propósitos mais obscuros. Se alguns acham que o Facebook deturpa a realidade, que dizer dos que a usam como fonte de informação para deturpar? Faço-me entender? Quem vai lá buscar a realidade para moldá-la? É outra perspectiva se calhar mais habitual, como aqueles que usam o Facebook como elemento mais avaliador do que um currículo porque toda a rede de amiguismo e promiscuidade talham as oportunidades aos seus. Então não é a aplicação que deturpa, são os humanos que a usam.

O maior medo daqueles que vencem indevidamente em relação ao Facebook não está em deturpar, está em produzir consequências nefastas aos seus objectivos. O maior medo é que as pessoas se organizem depois de inteiradas. É que argumentos bem fundamentados e comprováveis difundem-se a uma velocidade vertiginosa. A larga maioria do povo não cai na primeira.

Políticos, jornalistas fretistas e agências de comunicação quando tentam influenciar para obter apoio a interesses instalados, através do Facebook, também deverão considerar a contra-informação em tempo real. Se é mentira leva chumbo, se é verdade aceitam ou surgem argumentos contrários que não pegam. Sendo verdade ou mentira, o Facebook é tão só uma aplicação que facilita a comunicação. Desde que a plataforma não se torne ela própria interesseira. É por isso que as recentes desconfianças sobre esta rede social devem ser cabalmente clarificadas, porque por aqui já passaram eleições, revoluções, guerras, atentados e a organização de massas para um mundo melhor. Se independente, o Facebook é tão só um veículo que comunica com massas em vez de localmente e contínua a valer a qualidade de cada um para fazer vingar a informação. Tal qual como na rua, no adro, num comício ...

Eu considero o Facebook um expositor de vidas, ideias e intenções e cada um tem a sua cabeça para retirar dali ilações. É um erro se pensar que povo embrutece com o Facebook, só ganhou um meio para se organizar e os poderes devem ser mais competentes.
Share on Google Plus